15 fevereiro 2010

Ice age na Galega

Pois é meus amigos, quem ficou na caminha desta vez fez muito bem. Que frio… Não sei quantos de vocês se aventuraram na habitual volta domingueira, mas na Galega juntaram-se alguns tolinhos para pedalar. E sabem que apareceu? O Zé. Quem o julgava fora de jogo enganou-se. Ele ainda não está igual mas voltou ao nosso convívio. Vai ser bom o treino conjunto até aos passeios que temos no calendário.
Tivemos outra novidade, a Filipa tem uma nova montada… branquinha, toda catita… se bem que ainda não está perfeita, mas o Gadget vai tratar disso com certeza.
Em relação à volta foi pequenita, e gostava de lembrar a alguns que ficaram em casa e que andam com receio de recomeçar a pedalar que estão a perder as oportunidades no tempo certo para se juntarem ao grupo. Pois é precisamente nesta altura, o momento ideal para recomeçar a pedalar e acompanhar o grupo já que estamos todos fora de forma.
Saímos do sítio do costume ás 09.00 e marcavam 2 graus. Brrrrrrr (um gelo do caraças). Como tem chovido decidimos fazer estrada para não estragar o material e rolamos em direcção á Tesoureira. Aí entramos no track que nos leva a Bucelas e deu para ver o estado do terreno todo enlameado.
A Filipa, com todo o seu profissionalismo, lá nos mostrou como se colocam os pés… dentro da lama… ah ah ah, e mostrou-nos como somos todos uns maricas eh eh eh. Então nós armados em cavalheiros a pegar nas bikes ao colo para não sujar/estragar/molhar/ e a procurar passagens bem longe do lamaçal/lodo/barro para podermos chegar a casa cheios de orgulho e satisfação pela limpeza alcançada, tivemos que ficar a observar a cena em que ELA punha os pezinhos dentro de água… Isto desanima qualquer um.
Pior, mais á frente e quase a chegar a Bucelas, encontramos uma ribeira já bem nossa conhecida e que facilmente se ultrapassa, mas desta vez parecia aquelas imagens da TV em que os dilúvios levam carros á frente, eh eh eh (Estou a exagerar claro) Mas o que nós não queríamos era molhar os pés. Não por causa da água mas do frio. Filipa, é que com os pés molhados, fica muito mais complicado lidar com o frio. Lesson lerned.
Contornado o obstáculo lá seguimos caminho por mais alcatrão e começando a volta para casa. Dai para a frente, nada mais aconteceu se não o Tuga a reclamar o resto do caminho por causa da lama e uma paragem na padeiria para comprar uns pãezinhos quentes (acho que o Ruí teria gostado desta parte).








Abraço
Pirex

3 comentários:

Brites disse...

Bem... eu não fiquei na caminha... só que fui andar com o pessoal do BTT Almonda... E posso confirmar... Estava um frio do caneco... Quando começamos a pedalar estavam apenas +2,5º...
Fizemos uma volta mista, com alguns Tracks (de lama) e algum asfalto. No total foram 55kms com 1000metros de acumulado... Uma espécie de treino para a ida a Santiago de Compostela no final de Abril...
Estou a ver que o Gadget não perdeu pela demora e tratou de arranjar nova montada para a Filipa... mais condizente com a sua pedalada... Espero que tenha tido em conta os conselhos do pessoal e tenha adquirido um quadro com 10kgs de peso e montando umas rodas com água em vez de ar...
Chiça... Não tarda muito estamos todos a ser humilhados por ela... LOL..

Abraço e até amanhã...

Ass: Trinca Tudo

Nuno Vilhena disse...

Realmente estava um pouco fresco na zona Oeste... Tal como prometi não facilitei, embora a nova máquina da Filipa tenha bom aspecto, sabotei a transmissão de modo a aumentar o grau de dificuldade nas subidas eh eh.
A continuar neste ritmo começo a duvidar que se façam 100Km dia 28, Grandola é Alentejo é verdade mas aquela serra vai dar trabalho.

Boas pedaladas

Nuno Vilhena

João Tremoceiro disse...

Isso é que é coragem. Vejo que os azares da Filipa na volta anterior não a desmotivaram. É assim mesmo.
Bem vinda.
Nota: Nuno, trata do chumbo ou, pelo menos, mete água nas rodas.