19 junho 2007

Sintra – o soooooobbe e desce

Este fim-de-semana foi o meu baptizado na Meca do BTT nacional. Sintra recebeu-me vestida de tons cinzentos com alguns rasgos de azul, ao meu encontro vieram o Alexandre e o Soares. Os outros Trinca-Pedras não responderam à chamada, alguns podem dizer “convidado em cima da hora é para ficar de fora”, mas não! O desafio foi lançado Sábado ao fim da tarde depois de ver as previsões meteorológicas para o dia seguinte, a vontade de pedalar era muita e o São Pedro ia colaborar durante a manhã.
Antes de arrancarmos recrutamos, à última da hora, um aventureiro que se veio a revelar um excelente conhecedor destas paragens.
Os primeiros km foram em alcatrão e serviram de aquecimento para a dureza do percurso escolhido (se é que há escolha em Sintra) pelo Alexandre.
Eu devia ter desconfiado, o rapaz a pedalar na serra é como sabem, as minhas pernas ao fim da primeira subida já pesavam um pouco. O Soares pediu a todos os santinhos para que o deixassem voltar para baixo, nem pensar “é só esta subida e depois é logo a descer” diziam em uníssono o Trinca Sintra e o grande companheiro Freitas. A conversa foi a mesma ao longo dos cerca de 25 km da tirada em jeito de montanha russa.
Como sabem estou habituadíssimo a Monsanto e aos seus trilhos nada comparáveis com os km que se fazem a descer e a subir em Sintra. Numa subida a caminho dos Capuchos olhei para a cassete na esperança que houvesse mais um carreto que me aliviasse as pernas……. mas nada, já tinha descido tudo!!!!!!
No final da subida deu para tirar a primeira foto ao pessoal. O nevoeiro no alto da serra cobriu-nos rapidamente, era de tal forma cerrado que quando o Alex gritava “agora é a descer” eu acreditava e mudava logo para o prato intermédio mas, na verdade, era só a subida que aliviava um pouco.
Passadas as dificuldades iniciais encontrei o meu ritmo e o percurso tornou-se mais agradável. O companheiro Freitas, para além de uma excelente pedalada, é uma pessoa que conhece a zona e as pessoas da região. Sabe muitas histórias desta serra, e dos lugares por onde passamos.

O Convento do Carmo é um desses lugares. Ao que consta, para reconstruir este edifício, foi preciso carregar material à mão por cerca de 200m visto que o mesmo não era acessível aos veículos que o transportavam. Na minha opinião valeu a pena.
Depois dos Capuchos fizemos uma subidazinha que parecia não ter fim, a meio comecei a ouvir o ronronar de uns amantes da natureza que se deslocam nas suas moto todo-o-terreno. Comecei a tremer, onde é que eu já vi isto?!!! Aquele barulho a aproximar-se rapidamente fez-me acelerar o ritmo mas era inevitável, iam passar mesmo por mim VRRROOMMMMMM uma aceleração brutal mesmo ao meu lado. Por pouco pensei que ia cair da minha bike só daquela turpedação, que potência!!!!!!!!!
Recompus-me rapidamente e toca a subir que se faz tarde. Chegados à zona da Azóia começamos a descer, rápido, muito rápido, que o terreno convidava às acelerações, tanto esforço a subir era agora recompensado a uma velocidade de quase 55km/h. Aquela velocidade nem deu para olhar a paisagem em redor.

Já em alcatrão regressamos a bom ritmo passando por Monserrate, Seteais e a Quinta da Regaleira, tudo locais que merecem uma visita com tempo.
A chegada a Sintra foi pela Fonte da Pipa em direcção ao Palácio da Vila. À porta da Periquita um grupo de camones de olhos esbugalhados e concentrados nos travesseiros ignoraram a nossa passagem por esta via estreita. Sejamos francos, a dez metros daqueles bolos, um tipo deixa de ver. Obrigado ao companheiro Freitas pela agradável companhia, esperamos a disponibilidade para nos guiar na zona da Assafora.

Até lá….. boas trincadelas!!!!!
Hugo Gonçalves

4 comentários:

Anónimo disse...

Hugo, estás imparável, a pedalar e a fazer reportagens.
Temos de te mudar o nome para Trinca-reporter2, pois o 1 está de licença.

Trinca-boss

PLnauta disse...

meteram-se com o Alexandre e dá nisto.

quero andar de bicicleta!!

Anónimo disse...

Miúdo,
Começo a ficar seriamente preocupado ... estou a ver que qq dia está como o outro da fotografia, agarrado à bike!
Trinca-ramos

dinis saloiosbtt disse...

um belo passeio bons trilhos duro quanto baste para curtir e desfrutar da bike