23 setembro 2012

Fui aos cornos... do Diabo



O desafio foi aceite. Descer o trilho dos cornos do diabo. Mais uma vez, houve reunião bem-sucedida entre os Trinca Pedras e o Btt Almonda. Ao todo eramos 11 valentes.
A volta foi desenhada pelo Marchão com a aprovação final do Brites e apesar de ter sido traçada no Google maps, estava bem pensada. O Objectivo passava por 60 kms. Acabamos por não fazer tudo porque o acumulado fez moça e com alguns imprevistos, decidimos encurtar para que pudéssemos disfrutar em vez de sofrer mais.
Saimos de Seia em direcção a São Romão, por estrada. Logo de seguida entramos na terra e fomos descendo até à praia fluvial do Rio Alva, que atravessamos em ponte Romana. Depois foi sempre a subir até Valezim. Esta parte foi um verdadeiro inferno. A terra estava toda queimada e porque não havia vegetação, o vento soprava forte e passava por nós em verdadeiros remoinhos carregados de poeira e cinza. De tal forma que ficamos todos pretos.
Mas assim que deixamos a zona de incendio, começou uma paisagem verde e magnifica que acabou num pequeno trilho que serve as hortas de Valezim e que foi delicioso.
Depois fomos em direcção à Lapa dos Dinheiros. E aqui fizemos uma descida muito inclinada até à central electrica dos Jugais era a Cascata da Caniça. Mas o GPS fez das suas e andamos de rotunda em rotunda, no meio das hortas, à procura do trilho e nada. Voltamos para trás e subimos até à Lapa dos Dinheiros. Ia desfalecendo. Foi preciso reagrupar, descansar, comer e tomar um cafezinho.
Avaliamos a situação e reajustamos o percurso. Seguimos até à praia fluvial desta terra. Depois voltamos a subir para nos dirigir aos cornos do diabo. Tenho a dizer que até aqui estava tudo controlado, mas ninguém esperava não encontrar a passagem secreta que faz o acesso a este local.
Depois de alguma confusão acabamos a descer uma encosta bastante inclinada, com as bikes ás costas e onde na maior parte das vezes havia que conjugar esforços e à medida que se descia, passávamos as bikes ao parceiro da frente para poder descer uns metros.
Foi uma confusão danada. O Brites chegou primeiro ao trilho, não porque descesse melhor como faz com a bike, mas porque ia à frente, feito batedor. Responsabilidade que lhe ficou bem como organizador. Assim, acabou por filmar o cenário e acho que vai publicar no seu facebook, por isso fiquem atentos.
Infelizmente o Marchão escorregou e largou a bike para se agarrar a uma pedra. Com isto a bike deve ter batido nalgum ponto fulcral ditando a sorte futura.
Lá nos juntamos todos. Uns tiraram a roupa para tomar banho, outros lavaram-se e refrescaram-se e lá nos recompusemos. Ainda houve necessidade de tratar duns pneus mas acho que esta parte merece uma formação futura.
Com isto o grupo sofreu algumas separações pontuais ditadas pelos acontecimentos. O tuga e o Roque, avançaram sem medos para o trilho. Eu fiquei com o Brites, o João e o Marchão e para trás ficaram os outros 5. Na nossa saída e mais ou menos 50 metros depois, ouvi uns gritos. Tinha acabado de fazer um cotovelo e olhei para trás a tempo de ver o marchão a pegar em duas partes da bike. Fui ter com eles. Diz o Brites que vinha atrás deste que foi por pouco que não caiu, ou para a valeta (levada de água, com 1 metro de fundo e quase outro de largura) ou para a ribanceira que o levaria a uma queda brutal. Isto está filmado.
Felizmente o Marchão safou-se. Lá cozemos a bike com umas braçadeiras plásticas para lhe permitir levar a bike à mão pelos cerca de 6 kms até à estrada. Foi aqui que decidimos encurtar a jornada. Havia que ir buscar um carro para apanhar o Marchão e companhia para regressar à base. Seguimos então os 3 (deste pequeno grupo) e fomos apanhar o Tuga e o Roque na passagem para o canal, que comtemplavam a montanha. E de facto olhando para trás, ficava nítida a natureza bruta daquele local.
Chegados à Senhora do Desterro, fomos ver a Cabeça da velha e voltamos para trás para pegar na estrada e regressar a Seia.
A partir daqui foi esperar que o resto do grupo regressa-se e estes últimos ainda tiveram oportunidade de acabar por terra, atalhando para ir ao nosso encontro.
Mais uma vez, contamos com a colaboração dos Bombeiros de Seia que nos cederam os balneários para os banhos. O nosso agradecimento.
Depois fomos jantar à Quinta do Crestelo, onde encontramos um belo repasto, digno destes valentes. Bem quase todos porque há uns que acham que só com facturas é que o pais anda para a frente. Mas isso fica para o Zarolho.
Eu gostei muito da volta e da companhia e quero agradecer publicamente ao Roque por me dar guarida na sua caravana. Roque aquilo é do caraças.








 Vamos atravessar aquilo tudo







 Praia Fluvial do Rio Alva
 Ponte Romana




 chegada ao inferno
 olhem o diabo à solta
 tudo queimado...
























 "... ninguém me liga nenhuma..."






 







 Espectáculo



 Magnifico






 preciso mudar as pilhas ao GPS
 Quem é que subiu Montado???






 Olha o Roque a mete-los de molho ...




 Lava lá os pés...



 "... isto é lindo..."


 Olhem o trilho ali em baixo



 Nova vertente do BTT, Btt Montanhismo...





 "...Então não vínhamos para pedalar..."
 Os Cornos do Diabo




 A encosta que descemos com as bikes à mão
 O trilho dos cornos do Diabo









 O Jantar na quinta do Crestelo

Venha a Próxima. Abraço a todos
Pirex

10 comentários:

Anónimo disse...

Vamos lá a isso! Fico à espera.
Abraço,
Tiago Ramos

Pirex disse...

já está :)
O repasto meteu: bacalhau à quinta, Bacalhau com Broa, polvo grelhado, cabrito, morcela, chouriça, alheira, presunto, queijo, vinho, etc etc etc.

Joao Tre disse...

Parece que não preciso de ser eu a guiar para as rotundas aparecerem. O pessoal gosta. Já tinha visto pelo track do Rui que vocês tinham andado às voltas, mas pela descrição do Pirex já vi que a coisa foi mesmo movimentada - mas são estas coisas que marcam estas voltas.

Vamos à próxima ....

Férias disse...

Sim senhora, se o objetivo da volta era para ser uma aventura foi largamento atingindo! O bom é que apesar dos incidentes o pessoal se divertiu e chegaram todos de saude.

Grandes foto Pires.

Abraço

Anónimo disse...

acho que só o polvo grelhado me fazia pegar na bicicleta outra vez ;)

Grande volta malta. Isso é tudo gente em forma.

p

Pirex disse...

Ui, queres ver que temos um Zarolho nos Trinca Pedras?
:)

Alex disse...

Eu já sabia que não devia ter lido esta crónica:) Apesar dos azares, deu para ver que a volta foi espectacular.
A ver se na próxima já estou em condições de vos acompanhar.
Abraço

Pirex disse...

Pois é Alex, foi à maneira, mas tu devias ter ido para escrever a reportagem :) tens mais jeito que eu :)
Mas afianço a todos que por mim é para repetir, corrigindo os erros e melhorando o que precisar de ser melhorado.
Grande volta

Pirex disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno Vilhena disse...

Já deu para perceber que não faltaram todos os ingredientes para mais uma grande jornada de BTT, vou ter esperança para que possa comparecer numa eventual 2ª edição.

Abraço a todos