01 outubro 2007

TRINCADELA.......... ALONE EM MONSANTO

O despertador soou, como de costume, às 8 da manhã......”Mamã... Papá”...já passaram vinte meses mas a pequena Inês ainda não assimilou que ao fim-de-semana se pode dormir para além daquela hora. Toda a gente dorme até mais tarde ao Domingo, todos menos aqueles que têm o gosto e hábito de pedalar, quer faça chuva ou sol a malta lá está nos trilhos prontos para a diversão.
Aninhada no leito maternal a pequena Inês agarrou-se a mim como que a dizer “Papá estás doido, onde vais?”. Todavia, nem as ternuras matinais nem os primeiros sintomas de uma constipação de Outono me demoveram, já que estava acordado ia pedalar.
O tempo estava choroso, talvez saudades do Verão que se acabara de despedir, a rua estava deserta nem os cães vagueavam e eu lá seguia o meu propósito ir ter com a malta para pedalar, ia ser bom rever os Trinca-Pedras depois deste periodo estival.
Como sempre fui pontual, saudei o guarda do estacionamento:
- Bom dia!
- Bom dia – respondeu em tom de admiração- isto hoje está mau!
- Não, está bom há menos gente...
Equipado a preceito, fiz alguns alongamentos para preencher o tempo. Tinha decido esperar pelo pessoal até às 9h20, assim sempre ia aquecendo! Não queria admitir mas tinha sido o único louco a levantar-me da cama para ir pedalar. Paciência!
Acabei por quebrar uma das regras do BTT: andar sozinho, mas como estava em casa não ia retroceder.
Iniciei o percurso por um dos meus trilhos preferidos, o Trilho do André, adrenalina qb para começar e assim poderia descer até ao parque de campismo para ai iniciar o percurso das 24 horas. Com alguns km nas pernas arrisquei tudo na pedregosa descida do aeromodelismo, fui a fundo, sempre a abrir até ficar retido numa enorme vala e ... qual Vanessa Fernandes... passei do BTT para o atletismo num àpice, a bicicleta presa na vala com cerca de 40 cm de fundo e eu 5 metros à frente numa corrida alucinante acabava de ultrapassar um sexagenário no seu jogging dominical. O resultado da descida foi um cagaço daqueles e um furo. Com esta bike e a descer desta maneira não ganho para camaras de ar.
Percorridos os 11km do circuito enveredei pelos trilhos da voltinha do costume. Foi num dia como o de hoje que estreei os pedais de encaixe, por isso, ia tirar o resto da teima, quem é mais forte eu ou eles? Ficou provado que estes pedais funcionam até com lama e que já não dão a luta de outros tempos.
O esquerda-esquerda ganha um novo encanto nesta época de chuvas, a adrenalina duplica e os calafrios no estomâgo surgem em catadupa....dá um gozo!
A caminho da mata de São Domingos, com a ajuda do travão de trás, rabeai duas àrvores numa zona enlameada, que loucura!! A bike estava com vontade de beijar o maciço tronco que se ergueu à minha frente, travei com tacto e a roda de trás deslizou em diagonal com suavidade, parecia que estava a toirear, àrvore e máquina envolveram-se numa dança única! Eu controlei as suas intenções e ela seguiu os meus intentos. Contornei a primeira pela esquerda, a segunda pela direita e despedi-me trilho abaixo para novas emoções.
Para acabar furei novamente, desta feita na zona do parque da pedra. A camara ia ser trocada em casa, não tinha mais sobresselente, o furo era lento tinha de galgar rápidamente o alcatrão da subida da Belavista. Que pesadelo, as pernas pesavam imenso e a lama teimava em não largar a burra. A meio da subida avistei um estafeta da telepizza que seguia em sentido descendente, pensei “- a malta não veio mas não se esqueceu de mim”! Mas, com pena minha a entrega tinha outro destinatário....Depois de 25km, muita lama, dois furos e muita adrenalina regressei a casa, na mente um pensamento...será que está a dar onda à tarde?

4 comentários:

PLnauta disse...

Espectáculo, este é um dos melhores, senão o melhor post do blog. Parabéns Hugo, passei o dia todo de ontem a olhar para o céu a dizer a mim mesmo, palerma devias ter ido, a esta hora a malta está-se a divertir á brava, mas só agora depois de ler é que vi o que perdi. Imperdoável.

ps. Imagino a lama que levaste para casa. Aquilo é tão pegajoso que os furos são todos lentos.

Anónimo disse...

Fiquei sem palavras e lágrimas nos olhos de tanto rir. Sem palavras. Inesquecível este post. Parabéns Hugo

Trinca-boss

Anónimo disse...

Miúdo,
Está "cinco-estrelas"!
Mas começas a preocupar-me ....
ontem à tarde, quando cheguei, passei por casa do meu irmão e perguntei-lhe como tinha sido e ele disse-me q ninguém tinha ido, que o tempo estava de "doidos" ... afinal houve um ... já estou a ver a conversa da Susana no próximo dia ... tens que falar com o teu afilhado, anda a ficar doido com a bicicleta !!! ... trá lá lá lá!!
Mas valeu a pena ! Nem que fosse só pelo relato !
És um verdadeiro trinca-pedras: sempre a rolar, sem pressa de chegar.
Trinca-ramos

Ali disse...

Que ganda tourada ... gostas pouco, gostas ... lol

Das 3 só falta "escrever um livro", mas, a escreveres assim, qualquer dia temos lançamento ...